terça-feira, 8 de maio de 2007

MÃE LAVADEIRA



Fechei os olhos, ouvindo o som do bate...bate...
E enquanto eu ainda dormia, tão quentinho,
Minha mãe já há horas enfrentava o tanque,
“Será que eu merecia ficar recolhidinho?”


Levantei depressa e resolvi que a minha mãe
Estava muito cansada de tanto trabalhar
E de fininho, fui saindo pelas ruas da favela
E cheguei à cidade resolvido a mendigar...


Estendi minha mãozinha suja de poeira,
Meus pés descalços doíam de tanto caminhar...
Alguns passavam, sem nem pra mim olhar,


Mas outros tiveram pena e na minha mãozinha,
Colocaram, sim, uma pequena moedinha...
Que levei correndo para minha mãe, a lavadeira!




MÍRIAN WARTTUSCH


Um comentário:

Bel disse...

Mírian linda...
Parabéns pelo blog, vc merece tudo isso e muito mais! Suas poesias, são maravilohosas!

E parabéns pelo dia das Mães!
Te amoo!

Beijão Beliza Thomazelli